Se estão a pensar ir para Budapeste aviso já que vão ver as paisagens mais bonitas das vossas vidas, mas vão conhecer um povo mais frio que um iceberg.

Sentimos uma diferença tremenda de Amesterdão para Budapeste. Mas passo já a explicar tudo.

Dia 1

No primeiro dia aterramos em Budapeste e já notámos diferença. Vínhamos de um aeroporto gigante como o de Amesterdão e aterrámos num mais pequeno que o Sá Carneiro. Já estavam à nossa espera no aeroporto, o que foi bom visto ser uma grande distância até ao apartamento. Aconselho toda a gente a requerer um transfer do aeroporto ao apartamento e vice-versa. Comparando com o preço de taxis até se torna mais barato.

O caminho até ao apartamento não tinha fim e só se viam casas velhas, caminhos escuros… Era tudo medonho! Depois de chegarmos fomos almoçar e fazer tempo para poder dar entrada no apartamento, estava a chover muito de maneira que nem dava para andar a passear. Não tínhamos guarda-chuva e já em Amesterdão choveu e não comprámos, também não ia ser ali. Almoçamos no Mcdonal’s e logo aí começamos a perceber a antipatia daquele povo. O bom é que eu podia insultá-los a vontade que também não percebiam nada 🙂 E pensei: também vim para aqui para conhecer não foi para conviver com eles.

Mas vínhamos de Amesterdão onde toda a gente é prestável e simpática, foi normal a estranheza.

Como estava a chover fomos para o starbucks com vista para o Danúbio e lá estivemos a contemplar a vista.

Depois fomos conhecer o nosso apartamento e devo dizer que fiquei positivamente surpreendida. Estava à espera de pior atendendo ao que paguei. Estávamos a 2 minutos a pé do centro onde tem a roda gigante e alugámos o apartamento king of apartments.

     

Como na noite anterior não tínhamos dormido muito, neste primeiro dia fomos só às compras para fazermos as refeições em casa e ficámos por casa para dormir cedo.

Dia 2

No segundo dia iniciámos o projecto “gastar sola de sapato” 🙂

De manhã fomos passear até ao Parlamento, um dos monumentos mais bonitos que já vi até hoje. As fotos seguintes é tudo lá a volta do parlamento:

   

     

De seguida andámos a passear à beira rio e a perceber como fazíamos para ir andar de barco.

   

A hora do almoço aproximava-se e pela última vez almoçamos num restaurante. Comi dos melhores risotos até hoje. Posso mesmo dizer que estava quase tão bom quanto os que eu faço, mas também paguei bem. As refeições seguintes foram todas confeccionadas em casa, se comêssemos sempre fora o dinheiro que tínhamos cambiado para levar não ia chegar para tudo que queríamos fazer.

À tarde atravessámos a ponte Szabadság e fomos para o lado de Buda. O nosso apartamento ficava do lado de Peste. Fomos até ao Castelo do Buda e até à Baia dos Pescadores, dois monumentos grandiosos.

   

Estivemos lá até anoitecer e passeámos à beira rio.

Dia 3

Acordámos e fomos logo comprar o bilhete para andar de barco. Passeámos um pouco para o lado contrário ao do parlamento e fomos almoçar cedo para poder andar de barco as 14:00.

    

   

O passeio de barco atravessa 7 pontes e é muito bonito. Depois do barco decidimos subir à Citadela. Um dos pontos mais altos de Budapeste, a vista é do mais bonito que há. O conselho que vos dou é que vejam mesmo muito bem quando lá subirem, porque aquilo custa tanto fazer a pé que minha nossa! Eu parecia que tinha andado a puxar uma carroça de bois quando cheguei lá cima, e parei a meio, já estava que nem podia.

Dia 4

Este dia para nós já era o último, porque o dia a seguir já pouco ou nada dava para fazer.

De manhã fomos visitar o interior do Parlamento, por fora aquilo tem tanta segurança que ficamos curiosos para conhecer por dentro. Posso dizer-vos que só visitam uma pequena parte do Parlamento e a segurança que se vê por fora é igual à que acontece dentro. Para terem ideia depois de comprarem o bilhete têm que passar pelo detector de metais e raio-x e durante a visita são acompanhados por 2 policias, um no inicio do grupo e um no final para garantir que ninguém fica para trás.

   

     

À tarde fomos andar na roda gigante que existe no centro de Budapeste e passear pela rua que dá acesso às termas. Posso dizer que foi a rua mais macabra por onde já andei em plena cidade! Parecia tudo abandonado e velho ao mesmo tempo que era sombrio. Quanto à roda, acho que se paga muito para andar tão pouco tempo.

   

    

Até que chegámos às termas e ao castelo mais assustador que já vi, parecia mesmo o castelo do drácula.

                                             

 

Por fim, fomos visitar a Praça dos heróis e contemplar as iluminações de Natal.

    

Portanto, posto isto posso dizer-vos que Budapeste é dos sítios mais bonitos que podem visitar. Não estejam à espera de comer bem como em Portugal nem de grandes simpatias por parte das pessoas como acontece aqui no Porto. Mas eu gostei muito e recomendo.

Categorias: Coisas da Vida

MartaPinto

Como já perceberam pelo nome do blog, sou uma pessoa que normalmente só penso depois de falar. Gosto muito de cozinhar, salgados em particular, sou criativa, empenhada e geralmente só digo asneiras :-)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: